03 julho 2018


O investimento em marketing digital é um caminho sem volta e tem muito potencial a ser aproveitado. Não é a Incena Digital - que, você pode pensar, é suspeita para falar -, mas o The Boston Consulting Group que afirma isso após uma pesquisa sobre o assunto. De acordo com o estudo, 98% das organizações brasileiras não utilizam o potencial completo do marketing digital. Vamos destrinchar estes dados.

A pesquisa foi realizada com 60 empresas do Brasil que atuam em 10 setores: automotivo, serviços financeiros, alimentos e bebidas, cuidados pessoais, telecomunicações e mídia, varejo, educação, viagens e turismo, nativos digitais e vestuário. Do total, 55% estão no estágio de investimento crescente (emergentes), 37% são apontados como conectados, 6% tem um investimento nascente e somente 2% vivem o pleno aproveitamento.

Qual o nível de maturidade da sua empresa?

As porcentagens que pontuamos acima dizem respeito aos 4 níveis de maturidade nos quais as empresas foram classificadas durante a pesquisa. De qual nível seu negócio faz parte? Vamos explicar um por um:

1) Nascente - Realização de campanhas usando majoritariamente 3rd party data (dados que você pode comprar de um fornecedor externo, geralmente compilados a partir de uma ampla gama de fontes cuja concorrência também tem acesso) e compra de mídia, com baixa ligação a resultados de vendas.

2) Emergente - Companhas focadas em 1st party data (dados que a empresa coleta diretamente dos seus consumidores, mais específicas e relevantes direto da fonte) e compra de mídia programática com otimização e teste de forma independente por canal de mídia.


3) Conectado - É aquele momento no qual é fácil enxergar a relação entre o investimento nos canais e o resultado de vendas, através do alto retorno sobre o investimento (ROI). Os dados estão integrados e ativados ao longo dos múltiplos canais.

4) Multimomento - Execução de campanha dinâmica, otimizada e personalizada para cada cliente ao longo de todos os canais de mídia.

Barreiras e dificuldades

E o que pode fazer uma empresa evoluir? As palavras-chave são automação e personalização. A pesquisa mostrou que 96% das empresas relatam dificuldade no processo de automação, 91% não tem personalização avançada nos sites e 44% não tem nenhuma personalização nas páginas da empresa. É cada vez mais importante conhecer melhor e atender as exigências desse consumidor no ambiente online.

A ausência de uma mensuração mais efetiva é outra dificuldade apontada pelo estudo. Entre as marcas participantes, 52% afirmaram utilizar modelos de atribuição, mas somente 20% utilizam ferramentas capazes de contribuir para uma tomada de decisão baseada em dados objetivos e confiáveis.

Segundo o diretor do The Boston Consulting Group, Dan Reicher, os desafios do marketing digital vão muito além da utilização da tecnologia. A questão da organização do trabalho dentro da organização e a estratégia de comunicação aplicada podem revolucionar os rumos de um negócio.

“73% das empresas sofrem devido à coordenação inadequada de equipes multifuncionais, e 70% deles não têm objetivos alinhados em todos os canais”, afirmou Reicher em entrevista ao site E-commerce Brasil.

A mensagem que fica é a importância do investimento nas estratégias de marketing digital e, quando usamos a palavra investimento, não estamos falando somente de aspectos financeiros. É essencial o comprometimento das empresas com os estilos de campanha de marketing adotados, pois os resultados estão intimamente relacionados a esse fator. Planejar, realizar e analisar são os caminhos de uma estratégia bem sucedida.

14 maio 2018

Empresa que investe em marketing digital desde o começo da sua história. Essa não é uma trajetória tão comum no mercado imobiliário, mas é o caminho que tem sido percorrido pela Amim Imóveis, imobiliária de Niterói. A empresa, cujos diretores são os gêmeos Gustavo e Marcelo Amim, tem a parceria da Incena desde a criação da fanpage e do texto inaugural no seu blog.

Desde então, foram milhares de leads, dezenas de envios de e-mail marketing, produção contínua de conteúdo para o blog, postagens e fortalecimento da marca no Facebook e no Instagram. O suporte principal da estratégia é o trabalho com o software RD Station, que dá ferramentas para que a estratégia inbound (conteúdo e a nutrição de leads) seja colocada em prática.

Blog da Amim é parte da estratégia de inbound marketing utilizada pela imobiliária de Niterói | Foto: Reprodução Internet
Através do inbound marketing, é possível trabalhar várias frentes e aquecer aos poucos os leads conquistados com a campanha online. Com a criação de conteúdo próprio e relevante, a empresa fortalece a marca e alcança seu público-alvo. Pela automação de marketing, é realizada a nutrição desses leads de acordo com a etapa em que ele se encontra no funil de vendas (exemplo: se o cliente acabou de chegar, ele recebe um conteúdo que o atrai, mas não necessariamente voltado para o produto; caso seja um cliente de algum tempo, que tenha interagido com outros e-mails e materiais, ele começa a ser impactado por materiais mais focados na venda propriamente dita).

O relatório de 2017 do HubSpot apontou que 68% dos executivos afirmam que a estratégia de Inbound Marketing é efetiva, mesmo com a consciência de que se trata de um trabalho de longo prazo. E o tempo é uma ferramenta importante quando se trata de mercado imobiliário, por exemplo. De acordo com dados divulgados no último Conecta Imobi, 40% dos clientes de imobiliárias compram levam entre 3 e 18 meses para tomar uma decisão de compra e 30% somente o fazem após o período de 18 meses.

Inovação não é somente uma ideia para se ter em mente ou uma escolha, mas uma forma extremamente necessária de não deixar o tempo deixar a sua empresa para trás. Quando falamos em inbound marketing (que talvez seja um termo não tão claro para todos), estamos falando em relacionamento com os leads. Através de conteúdo relevante, nós conversamos com os clientes que já nos conhecem e trazemos outros. Trata-se de atração, conversão, fidelização... processo concluído com a venda.

Aqui na INCENA tem estratégia e produção de conteúdo para todo tamanho e tipo de negócio! Converse com a nossa equipe comercial e faça um orçamento para a sua empresa.

27 fevereiro 2018

E se dissermos que temos poderes premonitórios e que a pessoa que está lendo esse texto possui WhatsApp? Seria uma bobagem, porque realmente estamos trabalhando com uma probabilidade muito alta. Em fevereiro deste ano, foi divulgada a informação de que o aplicativo possui uma rede de 1,5 bilhão de usuários ativos por mês!* É gente para caramba! Mas e o WhatsApp Business, você já conhece? Recém-chegado ao país, o aplicativo tem como objetivo principal mediar de forma mais hábil a comunicação entre empresas de pequeno e médio porte e seus clientes.

Além de tornar tudo mais oficial (sai a foto mais pessoal no celular do representante do atendimento e entra a logo da empresa), tudo ficará mais quantificável. Agora você pode acompanhar as estatísticas das mensagens que são lidas pelos clientes e saber o que está funcionando melhor nesse canal. Até o momento, o serviço é totalmente gratuito, o que torna um excelente momento para conhecê-lo e entender seu potencial, mas a empresa já deixou claro que pretende cobrar por funções adicionais em breve.



O procedimento inicial é simples. No celular que for usado pela empresa, é só baixar o aplicativo WhatsApp Business. O público-alvo desse app empresarial, como dissemos, são os empreendimentos de pequeno e médio porte. O WhatsApp pretende lançar futuramente um serviço voltado às grandes corporações, chamado Enterprise, mas ainda não divulgou uma data. É necessário ainda ter um contato de celular que não esteja vinculado a nenhuma outra conta do WhatsApp. O que quer dizer que se a sua marca usa a modalidade "pessoal" do WhatsApp, deverá converter o perfil ou usar um outro telefone.

Mas o que as pessoas estão achando?

A Incena Digital deu uma olhada nos comentários online e fizemos uma triagem do que tem sido dito sobre o aplicativo. A maioria das pessoas considera extremamente vantajosas as características básicas do app, como a possibilidade de criar mensagens automáticas de saudação e de ausência fora dos horários de funcionamento. Além disso, uma vantagem ainda mais interessante é criar respostas rápidas para perguntas frequentes, o que pode economizar um tempo significativo no que diz respeito ao atendimento.

No entanto, como todas as coisas da vida real ou virtual, nem tudo são flores. Alguns dos comentários na própria página do WhatsApp Business na PlayStore apontam para algumas falhas na versão inicial como as seguintes: "É bom, falta melhorar muito, principalmente a mensagem de ausência, que devia ser enviada pro cliente mesmo eu estando sem internet"; "Não está me enviando notificação, as pessoas acham que estou offline, pois me enviam mensagens e eu não recebo, só vou receber quando entro no app e chegam todas de uma vez só... precisa corrigir isso urgente."; "Por que não recebo notificação de conversas, só vejo se clientes mandaram mensagem se ficar com WhatsApp aberto que dá para carregar as mensagens mesmo com wi-fi. Isso é muito ruim se puder resolver esse problema ficamos agradecidos", entre outras.

No geral, são críticas a detalhes técnicos que devem ser ajustados ao longo do tempo ou pedidos de inserções de tags que identifiquem melhor as conversas posteriormente (ou seja, melhorias). Ah, por enquanto o aplicativo está funcionando apenas em aparelhos Android, mas existem planos para expandir também para iOS. Sendo assim, acreditamos que os testes no seu negócio são mais do que bem-vindos e que você pode começar a reconhecer as forma de atendimento ao cliente mais efetivas dentro deste aplicativo que mudou a nossa forma de se comunicar.

*Estamos cientes de que uma boa parte da população do país ainda não possui nem acesso à Internet, mas o crescimento, segundo o IBGE, 63 milhões de brasileiros ainda não estão conectados (e muitos nem tem interesse em mudar isso)