Paper - App de notícias do Facebook ou releitura do Facebook para iOS?

Por: | 12:01 Deixe um comentário

Paper App Facebook

Esta manhã (30/01), o Facebook está anunciando um novo aplicativo para iPhone autônomo chamado Paper . Ao contrário dos rumores anteriores, é muito mais do que apenas um aplicativo de leitura de notícias - é uma releitura completa do próprio Facebook. Uma vez que você O usou, você pode nunca mais querer abrir o aplicativo padrão do Facebook novamente. O Paper pode não replicar todos os recursos do aplicativo principal do Facebook, mas faz cumprir a maioria das necessidades das pessoas. Simplificando, é muito, muito melhor.

O Paper recria o padrão do feed de notícias do Facebook News Feed como um conjunto de imersão, de rolagem horizontal de telas. Ele também fornece uma nova maneira de postar no Facebook com um elegante editor WYSIWYG que toma emprestado o estilo do Médio e do Svbltle, duas plataformas de blogs. E, finalmente, ele também é um aplicativo de leitura de notícias que se inspirou no visual do Flipboard. O Paper estará disponível para o iPhone nos Estados Unidos (e somente para iPhone e somente para os EUA) no dia 3 de fevereiro. Por enquanto, a plataforma ainda não conta com a presenda de anúncios.

 

Isso é mais do que esperávamos quando nós nos sentamos com designer de produto, Mike Matas, e a gerente de produto, Michael Reckhow. Nenhum dos dois quis responder se o Paper poderia vir a substituir o aplicativo original do Facebook. Reckhow diz que "existem ferramentas para compartilhar conteúdos de alta qualidade e também as ferramentas onde você pode chegar até o público", mas que muitas vezes elas não são a mesma coisa. "Nós sentimos que você não deveria ter que escolher entre um ou outro", afirma Reckhow.

ADEUS BOTÕES, OLÁ "SWIPES"

O Paper elimina praticamente todos os botões e outros elementos da interface do usuário para fazer todas as atualizações de status, fotos e notícias aparecerem em tela cheia. Para utilizar o app, você vai precisar aprender um conjunto básico de gestos, mas o aplicativo irá ajudá-lo, se ele perceber que você está com dificuldades. Fotos amplas surgem quando você inclina o seu smartphone (a equipe descaradamente chama esse efeito de "Ken turns"), os elementos de interface do usuário, muitas vezes simplesmente desaparecem, e as notícias são apresentadas de maneira similar ao Twitter-Esque Cards.

O Google Chrome faz falta na hora de se localizar no aplicativo e de te ajudar a navegar e isso pode ser um pouco desorientador. Pelo lado positivo, a interface do usuário é rápida e fluida, graças aos nove meses que a equipe passou trabalhando no desenvolvimento do Paper. Loren Brichter, o criador do Letterpress e do Tweetie, também ajudou com a codificação. O resultado é um aplicativo que compartilha uma certa semelhança com o Facebook Home para Android, só que muito mais rápido e mais completo.

Paper App Facebook



Cada seção do Paper tem uma tela principal com uma foto de rosto e uma lista de cartões na parte inferior. Você pode percorrer ou "perfurar" os cartões, até chegar ao ponto em que você estará passando por um cartão de cada vez. Matas espera que você os percorra lentamente. "Você realmente quer que as pessoas gastem um pouco de tempo com ele e que apreciem o conteúdo", diz Matas, "quase como quando você vai a um museu e você gasta um pouco de tempo com cada coisa."

A interface para leitura de notícias é exatamente a mesma do aplicativo móvel tracidional do Facebook, com a ressalva de que as ligações são automaticamente transformados em pequenos Twitter-esque cards com a marca da publicação. Se você quiser ler a postagem completa, você será levado para o site de origem - não há modo offline, como você pode encontrar em um aplicativo de notícias mais cheio de recursos. Você também não pode adicionar qualquer site que você desejar, como em um leitor de RSS tradicional. Ao invés disso, o Facebook contratou uma equipe de curadores de conteúdo para selecionar e publicar histórias, abrangendo uma dúzia de categorias diferentes, que vão desde notícias até fotos de animais fofos.

Você pode postar no Paper (e, portanto, no Facebook), em um novo tipo de tela de composição. Ele mostra exatamente como o post ficará antes de você publicá-lo, e Reckhow não é tímido sobre sua esperança de que as pessoas vão pensar no Paper como um novo tipo de coisa - mesmo que ainda seja o sistema por trás. "Pense em quando Instagram foi lançado e que agora você tem uma nova maneira de compartilhar conteúdo", diz ele. A ambição de Facebook com o aplicativo é fazer com que ele se torne um produto novo, e não apenas uma maneira diferente de acessar o Facebook. Matas vai longe e afirma que o Paper "é uma ferramenta de publicação, uma forma de publicar e ver conteúdo de qualidade."


Paper App Facebook


O Paper é o primeiro produto a ser desenvolvido pelo Facebook Creative Labs, uma unidade dentro da empresa encarregada de "inovar e criar coisas novas", segundo Reckhow. Isso é provavelmente um sinal de que o Paper será apenas uma das coisas que Mark Zuckerberg chama de "novas e interessantes tipos de experiências móveis". Desde a sua fracassa tentativa de lançar um concorrente do Snapchat, o Facebook parece mais perto de descobrir a fórmula certa para seus aplicativos. A empresa sabe que os usuários móveis estão com uma demanda crescente por esses aplicativos e pretende criar mais deles.

O FACEBOOK QUER OUTRO LUGAR NA SUA TELA INICIAL, E OUTRO, E DEPOIS MAIS OUTRO


Isso é provavelmente uma coisa boa, e talvez uma condição necessária. Da perspectiva de um usuário, o aplicativo atual do Facebook é cercada por dezenas de opções, cantos, recantos e recursos que a maioria das pessoas realmente não usa. O recente "tab centric redesign" ajudou simplificar as coisas, mas não foi uma mudança radical. A rede social tem um bilhão de usuários e assim todas as alterações que pretende introduzir na sua aplicação-núcleo precisam ser testadas à exaustão. Esse tipo de teste pode atrapalhar o design criativo. "Não se pode ser inovador se você está sobrecarregado se preocupando se você pode interromper o que centenas de milhões ou um bilhão de pessoas estão fazendo", diz Reckhow.

A equipe queria "ter a liberdade criativa para ousar o que temos feito e não se preocupar se ele vai impactar métricas [em] um dia." Para Reckhow, Matas, e o resto da equipe, o Paper é menos um substituto para o aplicativo de Facebook do que a chance de a empresa experimentar algo muito diferente do que já fizeram antes- e colocar um novo ícone na tela inicial do seu iPhone.

Se o ícone do Paper aparecer em sua tela inicial, um outro aplicativo provavelmente terá que ser colocado em outro lugar. Para muita gente, o próprio ícone do aplicativo do Facebook vai ser um excelente candidato.

Tradução livre da matéria original publicada no The Verge.

0 comentários:

Postar um comentário